Para Emagrecer

Pesquisar este blog

Dieta anticelulite: perca 3 kg em 15 dias e tenha pernas lisinhas!

Perder peso e ficar mais bonita

Não tem como fugir: a dieta certa e os exercícios são as principais armas para eliminar os furinhos que deixam mais de 80% das mulheres, tão infelizes. A dupla ajuda a emagrecer, o que significa boa parte da batalha ganha.

Com mudanças na alimentação consultora emagreceu mais de 20 kg


Tatiana emagreceu mudando a alimentação, reeducação alimentar é o segredo do sucesso para emagrecer
 Foto: Arquivo pessoal/Tatiana Vaz

Tatiana Vaz pesava 96 kg antes de fazer a mudança na alimentação


A rotina de viagens e hotéis fizeram-na chegar aos 96 kg.


Tatiana Vaz, uma consultora de relacionamento, nunca foi magra, mas devido ao seu trabalho, ela passou a fazer viagens constantes e ficar hospedada em hotéis com regularidade e assim viu seu peso se aproximar perigosamente dos 100 quilos.

Dieta do pH: emagreça 2 kg em 7 dias e aumente sua energia!


Emagreça, tenha mais saúde e disposição


O princípio e objetivo da dieta do pH, é o mesmo da alimentação baseada na medicina chinesa tradicional: seguir um cardápio mais alcalino e menos ácido para restaurar o equilíbrio do pH do sangue e assim, evitar o aumento de peso, proteger ossos e músculos, garantir disposição e afastar uma série de doenças.


Esses benefícios foram comprovados cientificamente e nos últimos anos, vem despertando a atenção de um número cada vez maior de médicos e nutricionistas, e muitos deles já prescrevem essa linha de alimentação aos pacientes. Alguns resultados apresentados no IX Congresso Internacional de Nutrição Clínica e Esportiva Funcional, em São Paulo, confirmaram: a dieta do pH traz efeitos positivos não só para emagrecer mas também na saúde do organismo como um todo.

O pH varia em uma escala de 0 a 14, porém o nosso organismo trabalha o tempo todo para manter o pH do sangue entre 7,3 e 7,4 - ou seja, levemente alcalino (7 é neutro, e abaixo disso, ácido). Esse é o ponto de equilíbrio para que as células consigam armazenar nutrientes dentro delas em proporções adequadas para realizar suas funções, entre elas preservar ossos e músculos. Em um meio ácido, no entanto, esse mecanismo fica comprometido. As células deixam até mesmo de liberar toxinas e, cedo ou tarde, ficam inflamadas e surgem os problemas: ganho de peso, cansaço e envelhecimento precoce, além de doenças mais graves, como osteoporose e câncer. A perda óssea também ocorre com mais facilidade porque o organismo entra em estado de alerta para recuperar o equilíbrio do pH e recorre às substâncias alcalinas presentes nos ossos, deixando-os frágeis.



Os vilões da dieta


O que altera o pH: as reações do metabolismo produzem substâncias ácidas, mas o organismo consegue driblá-las. O desequilíbrio geralmente acontece quando há uma sobrecarga vinda dos agentes externos. Entre eles, estão alguns alimentos, especialmente os feitos com farinha branca, sal, açúcar, corante, conservante e refrigerantes. Mas não é só isso: Stress, falta de sono, raiva e ansiedade também aumentam a carga ácida no sangue. Portanto, além da escolha certa do que comer, você precisa cuidar das suas emoções e fazer uma atividade física capaz de ajudá-la a relaxar.



Coma mais verdura e menos carne


A dieta do pH recomenda montar as refeições com 70% de alimentos que resultam em resíduo alcalino e 30% daqueles que geram resíduo ácido. Para respeitar essa proporção, reserve metade do prato para as verduras e os legumes. Deixe boa parte da outra metade para os cereais (arroz integral, quinua) e divida o espaço restante entre as leguminosas (feijão, lentilha) e as carnes, de preferência brancas (peixe, frango). As frutas, geralmente no café da manhã e nos lanches intermediários, também são muito bem-vindas. Assim como as verduras e os legumes, elas são aliadas do pH alcalino. Você pode comer inclusive abacaxi e limão. Isso mesmo: apesar do gosto ácido, que pode até acentuar a acidez no estômago, essas frutas não prejudicam o equilíbrio do pH do sangue, ao contrário, ajudam a alcalinizar.

As carnes resultam em resíduos ácidos, mas são mantidas na dieta em porções moderadas para saciar e preservar os músculos. Outro detalhe: quando comprar água mineral, leia o rótulo - a maioria tem acidez alta, mas o ideal é escolher uma opção com pH entre 7 e 9.

Acompanhe o cardápio elaborado pela nutricionista Natália Colombo. Com cerca de 1200 calorias, ele restaura o pH do sangue ao mesmo tempo que promove uma perda de peso mais acelerada. Pode ser seguido por um mês - depois, aumente o tamanho das porções, mas continue seguindo a proporção de mais alimentos alcalinos e menos de ácidos. O objetivo é que você se mantenha em forma e saudável a vida toda! 





Cardápio alcalino


A dieta do pH é rica em verduras, legumes e frutas. Aqui ela tem 1200 calorias para facilitar a perda de peso. Comer uma ameixa umeboshi por dia e beber água com gotas de limão em jejum são estratégias que favorecem o resultado:

*10 minutos antes do café da manhã: suco de 1/2 limão diluído em um pouco de água



Café da manhã


1° Opção: Suco alcalinizante - 1 fatia grossa de melão com as sementes e 1 punhado de amora batidos com suco de 1 laranja-lima e 1/2 copo (100 ml) de água + 3 biscoitos integrais salgados

2° Opção: Suco alcalinizante - 4 morangos orgânicos e 1 folha de couve batidos com suco de 2 limas-da-pérsia e 1/2 copo (100 ml) de água + 1 tapioca recheada com 1 banana-prata assada e polvilhada com canela em pó

3° Opção: Suco alcalinizante - 1/2 papaia, 1 ameixa vermelha e 1 col. (sobremesa) de aveia em flocos batidos com 1 copo (200 ml) de água + 1 fatia de pão multigrãos com 1 fio de azeite extravirgem e orégano

4° Opção: Suco alcalinizante - 1 cenoura média batida com suco de 1 limão e 1 copo (200 ml) de água de coco + 2 torradas integrais com geleia de frutas vermelhas sem açúcar

5° Opção: Suco alcalinizante - 1 folha de couve, 1/2 maçã, 1 rodela média de abacaxi, 1/3 de pepino, 1 pedaço de erva-doce e 1 pedaço de gengibre batidos com 1 copo (200 ml) de água + 1 fatia de pão multigrãos com 1 col. (sobremesa) de tahine (pasta de gergelim) ou pasta de tofu.



Lanche da manhã


1° Opção: 1 tangerina e 4 sementes de abóbora (sem sal)

2° Opção: 1 pêssego e 2 punhados de pipoca (feita com um pouquinho de óleo de coco e ervas: manjericão, orégano e salsinha)

3° Opção: 1 xíc. (chá) de uvas vermelhas ou roxas e 1 barrinha de sementes (gergelim e linhaça)

4° Opção: 1 maçã e 1 pedaço pequeno de coco seco

5° Opção: 1 pera e 6 avelãs



Almoço


1° Opção: Salada - 1 prato (sobremesa) de alface (americana, crespa, roxa), agrião, 4 rodelas de pepino, 1/2 tomate e 1 col. (sopa) de nabo ralado + 2 col. (sopa) de arroz integral com 2 col. (sopa) de feijão + 1 filé grande (120 g) de peixe assado com brócolis e cebola (regue o peixe com suco de limão)

2° Opção: Salada - 1 prato (sobremesa) de alface e folhas de mostarda, 2 col. (sopa) de rabanete ralado e 3 buquês de brócolis cozidos + 2 col. (sopa) de purê de inhame sem leite (prepare apenas com azeite extravirgem e 1 pitada de sal, de preferência marinho) + 1 filé médio (110 g) de frango grelhado com cebola e alho

3° Opção: Salada - 1 prato (sobremesa) de alface, agrião, 1 col. (sopa) de beterraba ralada e 1/3 de pepino em rodelas + 2 col. (sopa) de arroz integral com 1 col. (sopa) de lentilha + 2 col. (sopa) de couve refogada com 1 ovo mexido

4° Opção: Salada - 1 prato (sobremesa) de alface, rúcula, agrião e 2 rabanetes em rodelas + 1 filé médio (120 g) de salmão assado com alecrim + 2 col. (sopa) de purê de batata-doce sem leite (prepare apenas com azeite extravirgem e 1 pitada de sal) + 2 col. (sopa) de espinafre refogado

5° Opção: Salada - 1 prato (sobremesa) de alface, acelga e rúcula + 4 col. (sopa) de risoto de arroz integral e frango (cozinhe o arroz integral e misture frango refogado e desfiado, grão-de-bico cozido, tomate, cebola e alho-poró).



Lanche da tarde


1° Opção: Mix de castanhas e frutas secas - 3 damascos picados, 1 col. (sopa) de semente de girassol (sem sal) e 3 amêndoas cruas (sem sal)

2° Opção: 1 xíc. (chá) de morango orgânico com 1 col. (sopa) de quinua em flocos, 1 col. (sobremesa) de castanha de caju triturada (sem sal)

3° Opção: Suco alcalinizante - 1 fatia média de melão com as sementes, 4 morangos orgânicos e 1 col. (sobremesa) de farelo de aveia batidos com 1 copo (200 ml) de água

4° Opção: Suco alcalinizante - 2 fatias médias de melancia batidas com 1 sachê de clorofila (ou 1 folha de couve), 1 pedaço pequeno de gengibre e 1 col. (sobremesa) de farelo de aveia (se precisar, acrescente água)

5° Opção: 1 maçã assada com gotas de limão e polvilhada com 1 col. (sobremesa) de castanha de caju triturado (ou amêndoa) e canela em pó



Jantar


1° Opção: 1 prato (fundo) de sopa de abóbora com tomate, brócolis e cebola, polvilhada com alga kombu. No final da preparação, acrescentar 1 col. (sopa) de azeite extravirgem

2° Opção: Salada - 1 prato (sobremesa) de rúcula, 1/2 pepino e 2 rabanetes em rodelas + 1 filé grande (120 g) de peixe assado com 1/2 batata-doce em rodelas temperados com azeite extravirgem, raspas de casca de limão, pimenta-do-reino e gengibre ralado

3° Opção: 1 prato (fundo) de caldo verde (preparado com mandioquinha, couve, cebola e brócolis cozidos e batidos no liquidificador. Tempere com 1 col./sobremesa de azeite extravirgem e pouco sal)

4° Opção: Salada - 1 prato (sobremesa) de rúcula e agrião com beterraba e 3 col. (sopa) de quinua em grãos cozida com cebola, alho, pimentão e alho-poró e 1 ovo cozido

5° Opção: Salada - 1 prato (sobremesa) de alface (variadas), rúcula e agrião + 1 berinjela (ou abobrinha) recheada de atum light temperado com alho amassado e azeite extravirgem e misturado com salsão em rodelas finas (asse por 10 minutos ou até a berinjela amolecer).



Ceia


1° Opção: 1 laranja-lima

2° Opção: 2 fatias de manga com raspas de casca de limão

3° Opção: 1 rodela média de abacaxi com gengibre ralado

4° Opção: 1/2 papaia

5° Opção: 1 ameixa vermelha

*Nas saladas, use os seguintes temperos: vinagre de maçã, sal marinho e azeite extravirgem com acidez máxima de 0,5.

*Beba à vontade: água alcalina e chás (camomila, capim limão, erva-doce, camomila). 



Alimentos alcalinos


Muito alcalinos: ameixa umboshi, missô (pasta de soja fermentada), sal marinho, semente de abóbora em sal), lentilha, brócolis, Alga marinha (nori, kombu), cebola, rabanete, inhame, batata-doce, laranja-lima, nectarina, framboesa, melão, tangerina, abacaxi

Moderado alcalino: canela, pimenta, alho, shoyu (molho de soja), castanha de caju, salsa, couve, endívia, rúcula, folha de mostarda, laranja-pera, amora, manga

Pouco alcalino: chá verde, vinagre de maçã, ovo de codorna, amêndoa, gergelim, pimentão, nabo, couve-flor, repolho, berinjela, abóbora, batata, limão, pera, abacate, maçã, amora, papaia, pêssego

Muito pouco alcalino: manteiga clarificada (ghee), quinua, arroz selvagem, aveia, óleo de coco, azeite extravirgem, sementes (a maioria), beterraba, alho-poró, quiabo, alface, banana, damasco, mirtilo.



Alimentos ácidos


Muito pouco ácido: figo, tâmara, coco, goiaba, abobrinha, espinafre, vagem, feijão-roxo, óleo de girassol, arroz integral, peixes, gelatina, ovo, queijo de cabra, iogurte, manteiga, vinagre de arroz, mel, curry.

Pouco ácido: ameixa seca, ameixa vermelha, tomate, ervilha verde, acelga, feijão-preto, ervilha seca, tapioca, arroz branco, peru, carne de carneiro, leite de vaca, vinagre balsâmico, chá preto, stévia.

Moderado ácido: cenoura, vagem, grão-de-bico, pecã, amendoim, farelo de aveia, milho, frango, lula, carne de porco, queijo cottage, sacarina, café, aspartame, soja.

Muito ácido: farinha de trigo branca, lagosta, carne vermelha, sorvete, queijo processado, vinagre branco, geleia com açúcar, cerveja, refrigerante, sal refinado.



Fonte: abril.com.br

Confira 6 dicas para ajudar a diminuir a vontade de comer doces

Chocolate ou maçã? Para emagrecer


1-Reduza aos poucos o consumo de doces:

Se a vontade de comer doces for muito grande, não é aconselhável parar repentinamente, mas sim ir reduzindo aos poucos. A parada repentina geralmente dura alguns dias e, muitas vezes, a pessoa sofre com um efeito rebote, abusando mais ainda dos doces.


2-Troque os doces por opções menos calóricas:

Trocar os doces por frutas in natura ou frutas secas é uma boa alternativa, outra é a gelatina light com pedaços de frutas ou frutas com iogurte light. Outra saída, para os dias mais quentes, sãos os frozen iogurtes que, além de refrescantes, possuem cerca de 80kcal. Já para os dias mais frios, frutas como maçã, pera ou banana podem ser cozidas em micro-ondas com canela e cravo.


3-Controle as emoções:

Caso seja necessário, busque ajuda para isso. O importante é não usar o doce como válvula de escape dos problemas. Mas também não o elimine totalmente da dieta enquanto não buscar um suporte emocional e, sobretudo, nutricional adequado.


Super Dieta Detox

4-Mantenha os doces longe:

Resista à tentação e não carregue doces na bolsa e nem deixe no armário. Saber que estão por perto, só aumenta a vontade de comê-las. Também não passe o dia chupando balas e outras guloseimas, pois, se somadas, as calorias também podem aumentar muito.


5-Consuma os alimentos certos:

Dê preferência ao consumo de aveia, banana, maçã, canela, grãos em geral e castanha do Pará. Esses alimentos devem ser incluídos nas refeições, pois ajudam a controlar a necessidade de consumir doces.


6-Pratique atividades físicas regularmente:

Os exercícios ajudam a resistir aos doces. As atividades físicas liberam substâncias no cérebro que dão a sensação de prazer, ajudam a melhorar o humor e diminuem a ansiedade e a vontade de comer doces. Essa prática também melhora a qualidade de vida e a capacidade cardiovascular.




Fonte: corpoacorpo.uol.com.br

Koubo, uma frua exótica que ajuda a emagrecer e previne o envelhecimento precoce




Propriedades da fruta:
  • Reduz a formação de radicais livres
  • É rica em ácidos graxos
  • Elimina líquidos e toxinas
  • Diminui os picos de fome
  • Tem efeito termogênico

Os cactos possuem estranhos formatos e espinhos, por isso geralmente não são vistos com bons olhos, no entanto, no caso do koubo é diferente. O cacto originário de locais de clima muito quente, como o nordeste brasileiro, é um grande aliado de quem deseja eliminar alguns quilos extras, mas tem dificuldade em fechar a boca.


O koubo é a fruta da Cactácea Cereus sp, uma planta do deserto comumente conhecida como pitaya, que contêm inúmeros benefícios. Graças a uma substância chamada tiramina, ele diminui os picos de fome, promovendo por mais tempo a sensação de saciedade.
Se você quer emagrecer,
 queimar gorduras localizadas,
definir sua musculatura, clique aqui.

O koubo apresenta ainda efeito termogênico, o que mantém o metabolismo ativo por mais tempo. Estimulando o glucagon, um hormônio catabólico responsável por utilizar as reservas energéticas do nosso organismo, na sua maioria sob a forma de gordura, o koubo também ajuda a eliminar as gorduras em excesso. Além disso, ele também tem uma leve ação diurética, ou seja, favorece a eliminação de líquidos e toxinas devido à presença da betalaína e indicaxantina.


Este fitoterápico vai muito além da perda de peso por questões estéticas. Ele é rico em ácidos graxos como ômegas 6 e 9, aumentando a concentração do HDL (bom colesterol), além da vitamina C, o que contribui para a redução da formação de radicais livres e previne males relacionados ao envelhecimento e a saúde. Lembrando que o uso do koubo deve estar aliado a uma dieta para emagrecimento com orientação.


Devido a comprovação científica do efeito de emagrecimento e um grande aumento das prescrições com o uso do koubo, é importante verificar se o selo de autenticidade do produto está colado para não se correr o risco de adquirir algo de origem duvidosa. 

O koubo é um insumo farmacêutico e não pode ser encontrado em balcões de farmácia, não sendo um medicamento pronto para consumo. Deve ser prescrito e manipulado com orientação de um profissional da área, que indicará doses seguras e individuais. Uma grande vantagem do koubo é o baixo custo, no entanto uma desvantagem é a contraindicação para indivíduos diabéticos.




Fonte: globoesporte.globo.com




Descubra se o seu pensamento é de gordo ou magro e aprenda a controlar


Qual o seu?

Quando você está em frente a uma mesa de doces, qual é a sua reação?


Come só um ou perde o controle e come mais do que devia?


O psiquiatra Daniel Barros explicou como o cérebro e a mente podem determinar e influenciar no que a pessoa come e o quanto ela come.


Os hábitos e história de vida de cada pessoa podem influenciar os pensamentos.

Pessoas mais exposta a alimentos saudáveis têm mais facilidade para escolher esses produtos.

No entanto, vale ressaltar, que ter pensamento de gordo ou de magro independe de quantos quilos a pessoa pesa ou de como é seu corpo.

A principal diferença está na questão do controle. No cérebro, existem áreas responsáveis pelo controle e áreas responsáveis pelo impulso.


Quando o impulso de comer é maior do que o controle, a pessoa vai comer; já quem tem pensamento magro consegue se controlar porque vê a bonificação a longo prazo, que é o emagrecimento.

Segundo o endocrinologista Alfredo Halpern, quem tem a cabeça de gordo geralmente tem pensamentos sabotadores, como “segunda eu começo uma dieta”, “só mais um pouco não fará diferença”, “hoje eu como, mas amanhã não comerei nada” ou “eu mereço”.

O médico alerta, porém, que a escolha é de cada um: ter prazer naquele momento e ter consequências depois, ou ter o prazer depois, por não ter comido e não ter engordado.
Para algumas pessoas, porém, é muito difícil controlar os impulsos – isso acontece porque a vontade de emagrecer perde para as tentações.

Para treinar o autocontrole, de acordo com o psiquiatra Daniel Barros, existem algumas dicas: antes de escolher algo muito calórico, coma primeiro um prato de salada já que é muito mais fácil se controlar com a barriga cheia; além disso, é bom anotar sempre o que come, prestar atenção nos pratos e saber sempre o valor calórico dos alimentos.

Emagrecendo fácil, sem passar fome, comendo bem...


Fonte: g1.globo.com

Sete dicas muito importantes para não engordar no inverno

Emagrecer rápido e com saúde no emagrecerpara

Com a chegada do outono/inverno no Brasil, é normal que as pessoas “relaxem” na dieta, já que neste período do ano não nos exercitamos muito e temos o costume de comer mais.

Porém, é preciso muito cuidado para não exagerar e voltar a engordar, fazendo com que tenhamos que correr atrás do prejuízo perto do verão, o que se torna muito exaustivo e desgastante.

Por nisso, a nutricionista Alessandra Almeida, da Clínica Andréa Santa Rosa, do Rio de Janeiro, passou 7 dicas práticas para não engordar no inverno.

Confira as dicas para manter a forma o ano inteiro!


1) Apesar de sentirmos menos sede no inverno, a ingestão regular de água é importante para garantir uma boa hidratação das células ajudando a eliminar toxinas e restos metabólicos que ajudam a aumentar o grau de inflamação do nosso corpo. A gordura pode ser considerada um tipo de toxina.

2) Investir em alimentos que contenham aminoácidos essenciais como triptofano, presente nos grãos (grão-de-bico, lentilha, ervilha) e na quinua. O triptofano está envolvido na síntese de serotonina, um neurotransmissor responsável pela regulação da saciedade.

3) O uso de adoçantes estimulam neuropeptídeos que diminuem a sensação de saciedade e estimulam a compulsão alimentar. Opte por açúcar demerara, o doce natural das frutas, agave ou mel.

4) Acrescentar sementes na salada ou sopa. Elas são fontes de gordura que ajudam na saciedade.

Como emagrecer 10a 15 kilos
em até 30 dias, sem dieta ou
 exercício e sem gastar dinheiro
Exemplos: semente de girassol, abóbora, amêndoas, macadâmia, todas devem ser tostadas por 8 minutos no forno para eliminar fatores antinutricionais.

5) Opte por sobremesas leves como frutas assadas com canela, anis, cravo ou chocolate com teor maior que 70% de cacau para garantir os seus benefícios.

6) As sopas sempre devem ser elaboradas com caldo de legumes natural. Os temperos industrializados são ricos em substâncias químicas e aumentam o grau de inflamação das células, provocam a retenção de líquido e são pré fatores de câncer. Tenha cuidado com a quantidade de sódio presente nos rótulos desses produtos industrializados e evite sopas prontas vendidas no mercado (o teor de sódio delas é muito elevado).

7) Aposte nos chás diuréticos para ajudar a eliminar os exageros em que as vezes cometemos nessa época do ano. Alguns exemplos: chá de cavalinha, dente de limão, chá-verde, carqueja, chá de hibiscos; adicione limão, hortelã, canela, cravo para ajudar a melhorar o paladar.


Fonte: caras.uol.com.br

Coloque seu Email para receber as novas postagens

Google+

Amigos do Facebook

Postagens populares